Empresas já podem recolhe RAT/SAT sem o índice do FAP | Cebrasse




NOTÍCIAS



Empresas já podem recolhe RAT/SAT sem o índice do FAP

Jornal Empresas e Negócios

02 de Agosto de 2010 

 

Sábado, 02 de agosto de 2010

Empresas já podem recolhe RAT/SAT sem o índice do FAP

Presidente do Sindeprestem, Vander Morales.

Representando mais de três mil empresas do setor, o Sindicato das Empresas de Prestação de Serviços a Terceiros, Colocação e Administração de Mão de Obra e de Trabalho Temporário no Estado de São Paulo (Sindeprestem), comemora vitória em ação judicial movida para afastar a aplicação do Fator Acidentário de Prevenção – FAP à alíquota do RAT/SAT

 

Em razão disso, empresas filiadas e associadas que optarem por utilizar a decisão deverão efetuar o recolhimento do RAT/SAT sem a aplicação do índice do FAP, divulgado pelo Ministério da Previdência Social no final do ano passado.

De acordo com Vander Morales, presidente da entidade, a decisão da juíza Tais Vargas Ferracini de Campos Gurgel da 4ª. Vara Federal/SP foi importante porque, além do reenquadramento, a aplicação do FAP aumentava o valor das contribuições - que chegou a mais de 4% sobre a folha de pagamento daquelas empresas. Em sua decisão, a juíza entendeu também que, embora previsto em lei, o FAP teve metodologia de cálculo estabelecida por decretos e resoluções do Conselho Nacional de Previdência Social, contrariando a Constituição Federal e o Código Tributário Nacional.

Em razão disso, empresas filiadas e associadas que optarem por utilizar a decisão deverão efetuar o recolhimento do RAT/SAT sem a aplicação do índice do FAP, divulgado pelo Ministério da Previdência Social no final do ano passado. Segundo Vander, a decisão foi importante porque, além do reenquadramento, a aplicação do FAP aumentava o valor das contribuições.

O FAP, que varia de 0,5% a 2%, foi adotado para reduzir ou aumentar as alíquotas do SAT, com base nos índices de cada contribuinte, podendo ser reduzidas ou aumentarem significativamente. Contudo, as empresas têm um índice de acidentes de trabalho bastante razoável, e não há como controlar os riscos. Em sua decisão, a juíza entendeu também que, embora previsto em lei, o FAP teve metodologia de cálculo estabelecida por decretos e resoluções que contrariam a Constituição e o Código Tributário Nacional.

 

Matérias anteriores  
   27/02/15 Governo planeja rever desoneração das folhas de pagamento
   27/02/15 Governo aumenta impostos sobre a folha de pagamentos
   26/02/15 Editorial: CPI privatizada
   26/02/15 Em um ano, taxa de desemprego sobe de 4,8% para 5,3%, aponta IBGE
   26/02/15 Governo lança sistema nacional para fechar empresa em um dia
   26/02/15 Setor de limpeza vai repassar custo de mudança em benefícios a contratos, diz federação
   26/02/15 Regulamentação de terceirizados será levada ao Plenário em abril
   26/02/15 Deputado Laércio Oliveira discute a distribuição de produtos e alimentos
   25/02/15 DEFASAGEM NA TABELA DO IR PASSA DE 60%
   23/02/15 DEFASAGEM NA TABELA DO IR PASSA DE 60%
   23/02/15 Tempestade perfeita ameaça o governo Dilma, diz acadêmico
   23/02/15 Setor de serviços apresenta menor crescimento dos últimos três anos
   20/02/15 Editorial: Realismo estadual
   20/02/15 Governo acena com correção de pelo menos 4,5% na tabela do IR
   20/02/15 Direito a dano moral decorrente de ato ilícito praticado pelo empregador
   18/02/15 Inflação alta deve frear criação de vagas no setor de serviços em 2015
   11/02/15 MTE lança medidas de combate à informalidade e sonegação do FGTS
   11/02/15 PL da terceirização é desarquivado e pode ir ao plenário da Câmara
   10/02/15 Dívida do Governo do RJ com fornecedores pode gerar demissões
   10/02/15 Valor de propina citada por delator é similar ao de doações oficiais ao PT
   10/02/15 Líder do PT admite que ajuste fiscal de Dilma terá alterações no Congresso
   03/02/15 Capacidade do sistema Cantareira sobe pela primeira vez no ano
   03/02/15 Indústria fecha ano com queda de 3,2%, pior resultado desde 2009
   02/02/15 Projeto de lei que define regras para terceirização de serviços deve ser aprovado? Sim
   02/02/15 Projeto de lei que define regras para terceirização de serviços deve ser aprovado? Não
   28/01/15 Dilma justifica medidas econômicas e pede empenho a ministros
   28/01/15 Ações da Petrobras chegam a cair mais de 10% após balanço, e afetam Bolsa
   28/01/15 Cálculo desprezado pela Petrobras trazia perda de R$ 88,6 bi com desvios
   28/01/15 Aécio, FHC e Alckmin reagem à articulação pró-Eduardo Cunha
   28/01/15 Governo de SP já planeja rodízio de até cinco dias sem água por semana

VER NOTÍCIAS ANTERIORES


  CEBRASSE © 2015 CENTRAL BRASILEIRA DO SETOR DE SERVIÇOS English Version
Av. Paulista, 726 - 7ºAndar Cj. 710 - - São Paulo - SP - (11) 3251.0669 / 3253.1864 - FAX: 3253.1864
Criação de Sites
YoutubeTwiitterLinkedin Facebook