São Paulo, 23 de Julho de 2008 - Cebrasse News
ENTIDADES FILIADAS CEBRASSE

ABBTUR-MG
ABEMPI
ABERC
ABF
ABES
ABLA
ABMS
ABO NACIONAL
ABPI-TV
ABRALIMP
ABRASEL
ABRAT
ABRELPE
ABREVIS
ABTA
ABTV
ACONBRAS
ADORC
ADVB
AHESP
ANCLIVEPA
ANFAC
APIMEC
APRAG
CRA SP
CRC SP
FAEASP
FEBRAC
FCDL
FEHOESP
FENACON
FENAVIST
FEPRAG
IBEF
SEAC-ABC
SEAC-DF
SEAC-ES
SEAC-MG
SEAC-MS
SEAC-PA
SEAC-PR
SEAC-RJ
SEAC-SC
SEAC-SP
SELUR
SESCON/SP
SESVESP
SETA
SIMPRES
SINAENCO
SINDCONT-SP
SINDEPRESTEM
SINDERC-SP
SINDESP-BA
SINDESP-DF
SINDESP-ES
SINDHOSP
SINDIMOTOR
SINDITELEBRASIL
SINEATA
SINSERHT-MG

APOIADORES CEBRASSE

ADLIM
AMBC
ARAÚJO ABREU
ESCOLTA
GALES SERVIÇOS
GUIMA CONSECO
MARICATO ADV
NAC
PLANINVESTI
POLICRED
QUALITY AMJ
STA
UPS BENEFÍCIOS


As opiniões expressas nos artigos e editoriais são de responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente o posicionamento da CEBRASSE.


PEQUENA EMPRESA: É PROIBIDO CRESCER

PAULO LOFRETA

O percentual de empresas de pequeno porte que permanece de portas abertas em seus dois primeiros anos de vida cresceu, passando de 50,6% (2002) para 78% (2005). Contribuíram para isso a melhoria do ambiente econômico e a melhor qualificação do empreendedor brasileiro, que hoje se mostra mais capacitado para identificar as melhores oportunidades.

Nesse cenário, pequenas empresas se tornaram médias e, em lugar de comemorarem seu feito e serem reconhecidas por isso, passam em pouco tempo da euforia inicial à completa frustração. Falta-lhes apoio técnico, linhas de crédito diferenciadas, estímulo à inovação e uma política de incentivo ao pequeno empreendedor que ousa crescer.

No caso das empresas de prestação de serviços, a situação é ainda mais grave. Em lugar de uma política clara de incentivo, o que temos são medidas de desestímulo. Sua relação com o sistema financeiro é ainda mais complicada. Seu patrimônio é composto daquilo de mais importante uma empresa pode ter: funcionários e clientes. Infelizmente, tal ativo vale muito pouco na matemática dos analistas de crédito. A única garantia que tem valor para eles são prédios, maquinário ou estoques de matéria-prima.

O volume de empréstimos realizado pelos maiores bancos do país, nos primeiros meses desse ano, indica alguma mudança, ainda que tímida. O volume de crédito oferecido pelos bancos às micro, pequenas e médias empresas cresceu mais que os valores emprestados às grandes empresas. Só o Banco do Brasil realizou operações na ordem de R$ 25,6 bilhões – 32% a mais que no mesmo período do ano passado. Entre os bancos privados, o total de empréstimos feito às pequenas empresas ultrapassou a marca dos 40% de incremento entre março de 2007 e março deste ano.

Esses recursos emprestados pelos bancos às pequenas e médias empresas saem dos cofres do maior agente público de financiamento do país – o BNDES – e chegam às mãos do pequeno empreendedor acrescidos de um spread sobre os juros já cobrados pelo banco oficial. Se nada mudar, o Brasil continuará forjando uma geração de empresários com medo de crescer e condenando o país ao atraso eterno.


CEBRASSE NEWS

CEBRASSE - Central Brasileira do Setor de Serviços

NOVOS TELEFONES

PABX: (11) 3251 0669
FAX: 3253 1864


www.cebrasse.org.br