São Paulo, 18 de Julho de 2008 - Cebrasse News
ENTIDADES FILIADAS CEBRASSE

ABBTUR-MG
ABEMPI
ABERC
ABF
ABES
ABLA
ABMS
ABO NACIONAL
ABPI-TV
ABRALIMP
ABRASEL
ABRAT
ABRELPE
ABREVIS
ABTA
ABTV
ACONBRAS
ADORC
ADVB
AHESP
ANCLIVEPA
ANFAC
APIMEC
APRAG
CRA SP
CRC SP
FAEASP
FEBRAC
FCDL
FEHOESP
FENACON
FENAVIST
FEPRAG
IBEF
SEAC-ABC
SEAC-DF
SEAC-ES
SEAC-MG
SEAC-MS
SEAC-PA
SEAC-PR
SEAC-RJ
SEAC-SC
SEAC-SP
SELUR
SESCON/SP
SESVESP
SETA
SIMPRES
SINAENCO
SINDCONT-SP
SINDEPRESTEM
SINDERC-SP
SINDESP-BA
SINDESP-DF
SINDESP-ES
SINDHOSP
SINDIMOTOR
SINDITELEBRASIL
SINEATA
SINSERHT-MG

APOIADORES CEBRASSE

ADLIM
AMBC
ARAÚJO ABREU
ESCOLTA
GALES SERVIÇOS
GUIMA CONSECO
MARICATO ADV
NAC
PLANINVESTI
POLICRED
QUALITY AMJ
STA
UPS BENEFÍCIOS


As opiniões expressas nos artigos e editoriais são de responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente o posicionamento da CEBRASSE.


• CORREIOS: MEDIDAS SÃO TOMADAS PARA CONTORNAR PERDAS

• GOOGLE LANÇA PRODUTOS PARA MERCADO EMPRESARIAL

• Hélio Costa tenta acordo entre Correios e grevistas no sábado





CORREIOS: MEDIDAS SÃO TOMADAS PARA CONTORNAR PERDAS

A greve dos trabalhadores dos Correios, que começou no início deste mês, só não atrapalhou mais as empresas porque o empresário brasileiro é criativo e sabe contornar as situações. Uma saída que tem sido utilizada é o transporte das correspondências via motoboy, informou o site InfoMoney. A empresa de motoboy Express Doc, com sede na Avenida Paulista, um dos principais centros comerciais de São Paulo, já contabiliza aumento de 20% no número diário de corridas, desde que a paralisação começou, segundo informações da gerente Rita de Cássia Pulzi.

A responsável pelas vendas das livrarias virtuais da Editora Aduaneiras e da Editora Lex, Marcia Castelo Marques, conta que, a princípio, a empresa teve dificuldades para fazer a entrega dos livros vendidos por meio da internet. "Mas os clientes estavam cientes da greve dos Correios, por isso não houve reclamação", explica. Em alguns casos, a entrega foi realizada após o prazo estipulado pela empresa, de cinco dias. Uma saída encontrada foi, no caso das vendas para fora de São Paulo, a indicação pelo cliente de algum contato localizado na capital, para a entrega da encomenda.

Ela explica ainda que a diretoria autorizou que todos os envios fossem feitos via Sedex. O motivo: a maior parte dos funcionários dos Correios em greve faz as entregas do E-Sedex, serviço direcionado para as regiões com maior fluxo de entregas, segundo Marcia. Sendo assim, os trabalhos do Sedex não pararam. Ela garante que "90% dos pedidos estão sendo entregues". "Outros 10% estão parados ou sendo entregues após o prazo de entrega. Existem ainda alguns casos em que o cliente está retirando o produto na agência dos Correios", afirma.

Com relação aos boletos, que antes eram entregues via Correios, eles passaram a ser enviados por e-mail, assim como as notas fiscais. "A greve dificulta um pouco o trabalho das empresas, mas o cliente deve ter paciência, pois estão sendo criadas alternativas".

SCPC está parado

O economista da ACSP (Associação Comercial de São Paulo), Marcel Solimeo, conta que, por conta da paralisação, muitos consumidores não estão recebendo boletos de cobrança, de maneira que as empresas estão saindo no prejuízo, sem receber o montante a que têm direito. A demora na entrega das correspondências tem prejudicado a atualização do SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), o cadastro de consumidores inadimplentes. O economista explica que, para incluir alguém na lista dos devedores, é necessário enviar notificação por carta. Por mês, são enviadas, em média, 6 milhões de correspondências com este objetivo.



GOOGLE LANÇA PRODUTOS PARA MERCADO EMPRESARIAL

Por Viviane Maia

O Google anunciou hoje (17/07) parceiras com distribuidores e revendas do mercado nacional para oferecer três produtos com enfoque especificamente corporativo. São eles: o Apps, pacote on-line de ferramentas de escritório e de colaboração; o Search Appliance e o Mini, dispositivos para fazer buscas dentro de uma rede corporativa, e o Apontador Maplink, uma versão profissional dos mapas eletrônicos do Google. “Para aumentar a presença na área empresarial, apostamos na utilização de softwares como serviço e cloud computing (computador em nuvem), em que os programas podem ser acessados via internet, sem a necessidade de atualizações e o pagamento de licenças e em qualquer dispositivo (micro, smartphones, por exemplo)”, afirma José Nilo Cruz Martins, gerente do Google Enterprise do Brasil.

A Spread, empresa especializada em terceirização de tecnologia, rede e telecomunicação, é responsável pela venda do Google Apps Premier Edition, o pacote de produtividade que oferecer editor de texto, planilhas, gestão de conteúdo e ainda e-mail personalizado para empresa (nomedofuncionario@empresa.com.br). Só o e-mail traz 25 Gigabytes de armazenamento. Indicado para pequenas e médias empresas, o pacote custa a partir de US$ 74 por usuário e por ano. A empresa parceira fica a cargo de fazer o suporte para todos os usuários. Já há uma versão gratuita na rede, porém, de acordo com Cassius Fogagnoio Buda, da Spread, o diferencial desse pacote é ter garantia contratual de 99,9% de disponibilidade no ano; suporte telefônico em português e funcionalidades adicionais de segurança como antivírus, antispam e controle dos e-mails de funcionários.

A distribuidora Westcon deve trabalhar com o Google Search Appliance e o Google Mini, sistemas que fazem a busca de informações, documentos em qualquer interface (seja banco de dados, software de gestão, software de relacionamento com o cliente e outros). Uma espécie de Google dentro da empresa. O preço, porém, é bem salgado. Indicado para grandes corporações. O Google Search Appliance custa US$ 70.000 (para até 500.000 documentos). Já o Google Mini é vendido a partir de US$ 7.500 (para até 50.000 documentos).

A Apontador Maplink, empresa brasileira que desenvolve mapas para GPS, celulares e outros dispositivos, fica responsável pelo Google Maps API Premier, a versão empresarial do Google Maps, no qual você pode colocar em seu site a localização de sua empresa ou como auxílio a seu cliente para traçar a rota. Diferente da versão gratuita, a Apontador Maplink oferece também contrato de garantia de nível de serviço e suporte por a partir de US$ 16.000. Já versão professional do Google Earth custa cerca de US$ 760.


Hélio Costa tenta acordo entre Correios e grevistas no sábado

Ministro das Comunicações vai se reunir às 10 horas com funcionários e representantes da empresa

BRASÍLIA - O ministro das Comunicações, Hélio Costa, se reúne neste sábado, 19, com representantes da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) e do sindicato dos servidores da estatal, numa tentativa de intermediar um entendimento que encerre a greve da categoria, iniciada dia 1º de julho. A reunião será na sede da ECT, em Brasília, a partir das 11 horas.
Desde a semana passada, as discussões entre as duas partes vêm sendo intermediadas pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST), mas não houve acordo em relação às propostas apresentadas à Justiça pela e pelos funcionários.

Na quinta-feira, a ECT apresentou ao tribunal uma proposta e pediu que, caso ela não fosse aceita pelos grevistas, o presidente do TST, ministro Rider de Brito, emitisse liminar determinando a interrupção da greve. Até o começo da tarde ainda não havia uma decisão do tribunal.

De acordo com a assessoria dos Correios, desde o início da greve até a noite desta quinta, haviam chegado à empresa 390 milhões de correspondências, das quais 67,4% foram entregues - o que significa que quase 154 milhões de objetos continuam parados. A adesão dos funcionários à greve chega a 18% do total da empresa, em 21 Estados mais o Distrito Federal.


CEBRASSE NEWS

CEBRASSE - Central Brasileira do Setor de Serviços

NOVOS TELEFONES

PABX: (11) 3251 0669
FAX: 3253 1864


www.cebrasse.org.br