São Paulo, 29 de Maio de 2008 - Cebrasse News
ENTIDADES FILIADAS CEBRASSE

ABBTUR-MG
ABEMPI
ABERC
ABF
ABES
ABLA
ABMS
ABO NACIONAL
ABPI-TV
ABRALIMP
ABRASEL
ABRAT
ABRELPE
ABREVIS
ABTA
ABTV
ACONBRAS
ADORC
ADVB
AHESP
ANCLIVEPA
ANFAC
APIMEC
APRAG
CRA SP
CRC SP
FAEASP
FEBRAC
FCDL
FEHOESP
FENACON
FENAVIST
FEPRAG
IBEF
SEAC-ABC
SEAC-DF
SEAC-ES
SEAC-MG
SEAC-MS
SEAC-PA
SEAC-PR
SEAC-RJ
SEAC-SC
SEAC-SP
SELUR
SESCON/SP
SESVESP
SETA
SIMPRES
SINAENCO
SINDCONT-SP
SINDEPRESTEM
SINDERC-SP
SINDESP-BA
SINDESP-DF
SINDESP-ES
SINDHOSP
SINDIMOTOR
SINDITELEBRASIL
SINEATA
SINSERHT-MG

APOIADORES CEBRASSE

ADLIM
AMBC
ARAÚJO ABREU
ESCOLTA
GALES SERVIÇOS
GUIMA CONSECO
MARICATO ADV
NAC
PLANINVESTI
POLICRED
QUALITY AMJ
STA
UPS BENEFÍCIOS


As opiniões expressas nos artigos e editoriais são de responsabilidade de seus autores, não representando necessariamente o posicionamento da CEBRASSE.


CPMF de novo, não!

Paulo Lofreta

Depois de uma luta renhida, conseguimos o que para muitos parecia impossível: derrubar a cobrança da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) pelo Governo Federal. Criada inicialmente com o intuito de custear os gastos públicos com saúde, pouco a pouco, a contribuição foi se desviando de seu objetivo primeiro e, desvirtuado, constituiu-se numa das maiores injustiças tributárias da história do Brasil.

O governo arrecadou bilhões cobrando impostos sobre toda transação bancária, porém, aplicou bem pouco dessa fortuna naquela que seria sua razão de existir: a saúde pública. Paradoxalmente, durante os tempos em que a CPMF vigorou, a receita do governo só cresceu, mas as condições do atendimento à população só pioraram.

A sociedade brasileira conseguiu fazer-se ouvir no Congresso Nacional, que coibiu esse abuso, com o apoio de entidades representativas, dentre elas a Central Brasileira do Setor de Serviços (CEBRASSE). Página virada, a CPMF saiu de cena e o Brasil continuou em seu curso normal.

Curiosamente, ao contrário do que previram muitos arautos governistas, a esperada crise que adviria com o fim da cobrança da CPMF, não veio. Em vez de diminuir, a arrecadação do governo só fez crescer.

Eis que, para surpresa geral, o governo que comemora a maior arrecadação de impostos da história do país, reacende a fornalha de sua máquina arrecadadora e ameaça ressuscitar a CMPF para viabilizar a implementação da Emenda 29, dispositivo que destina R$ 23 bilhões em verbas exclusivas para a saúde pública. Falar em aumento de impostos de cofre cheio é, no mínimo, o cúmulo da incoerência.

Com medo do desgaste inevitável da medida, até o presidente Lula, que costuma bancar o “pai-de-tudo”, lavou as mãos e empurrou para o Congresso a responsabilidade de indicar a localização exata da fonte de jorrarão recursos em abundância para transformar a Emenda da Saúde.

Preocupa-nos o fato de, ao deixar-se levar pela tentação de discutir soluções isoladas, sem levar em conta outros aspectos da questão, governo e congresso correm o sério risco de, no afã de resolver um problema, agravá-lo. Como fizemos antes, vamos à luta novamente contra a volta da CPMF. O que a sociedade brasileira precisa e exige é uma Reforma Tributária profunda, que corrija as injustiças e não penalize apenas quem produz e gera empregos. Não queremos mais uma solução provisória em que todos pagam e quem precisa não se beneficia.

Paulo Lofreta é administrador de empresas, empresário e presidente da Central Brasileira do Setor de Serviços (CEBRASSE)


FONTE:
Jornal da Tarde


CEBRASSE NEWS

CEBRASSE - Central Brasileira do Setor de Serviços

NOVOS TELEFONES

(11) 3262-4284 Fax: (11) 3253-1864

www.cebrasse.org.br