Cebrasse News - 10 de Março de 2008
ENTIDADES FILIADAS CEBRASSE

ABBTUR-MG
ABEMPI
ABERC
ABF
ABES
ABLA
ABMS
ABO NACIONAL
ABPI-TV
ABRALIMP
ABRASEL
ABRAT
ABRELPE
ABREVIS
ABTA
ABTV
ACONBRAS
ADORC
ADVB
AHESP
ANCLIVEPA
ANFAC
APIMEC
APRAG
CRA SP
CRC SP
FAEASP
FEBRAC
FCDL
FEHOESP
FENACON
FENAVIST
FEPRAG
IBEF
SEAC-ABC
SEAC-DF
SEAC-ES
SEAC-MG
SEAC-MS
SEAC-PA
SEAC-PR
SEAC-RJ
SEAC-SC
SEAC-SP
SELUR
SESCON/SP
SESVESP
SETA
SIMPRES
SINAENCO
SINDCONT-SP
SINDEPRESTEM
SINDERC-SP
SINDESP-BA
SINDESP-DF
SINDESP-ES
SINDHOSP
SINDIMOTOR
SINDITELEBRASIL
SINEATA
SINSERHT-MG

APOIADORES CEBRASSE

ADLIM
AMBC
ARAÚJO ABREU
ESCOLTA
GALES SERVIÇOS
GUIMA CONSECO
MARICATO ADV
NAC
PLANINVESTI
POLICRED
QUALITY AMJ
STA
UPS BENEFÍCIOS




É vital focar-se na atividade fim

Para especialista, terceirização é que permite concentrar-se no estratégico

por Leandro Costa

Manter o foco naquilo que é mais estratégico é importante para o sucesso de qualquer organização. Nesse sentido, entregar atividades secundárias nas mãos de empresas especializadas pode ser de grande ajuda.

“O pequeno empresário geralmente erra ao centralizar todos os processos dentro da sua organização. Assim, ele fica submerso na rotina diária e não consegue parar para pensar na estratégia”, explica o presidente do Grupo Mesquita Associados, empresa de consultoria focada no mercado de pequenas e médias empresas, Antônio Mesquita.

Para ele, centrar-se no core business, ou seja, na parte vital do negócio, é prerrogativa para qualquer empresa que queira crescer em sua área de atuação.

“Quando uma empresa terceiriza uma atividade-meio, ela ganha em qualidade, pois a contratada é especialista nessa atividade e em produtividade, já que pode gastar mais tempo com o desenvolvimento de produtos e a exploração de novos mercados”, acrescenta a consultora jurídica do Sebrae-SP Sandra Fiorentini.

Foco no negócio

É o que tem feito o empresário Sérgio Ferrador, dono da Sérgio Ferrador Desenvolvimento Imobiliário, empresa especializada na formação de terrenos para incorporação imobiliária.

Ele explica que grande parte dos processos de sua empresa que não estão diretamente ligados à sua atividade principal, tais como contabilidade, jurídico, publicidade e folha de pagamento, já estavam nas mãos de parceiros. “Manter todas essas áreas aqui dentro não seria racional”, diz Ferrador.

“Agora, estamos firmando parceria com a Mesquita Associados para que eles façam a administração de todos esses parceiros.”

Ou seja, a empresa vai fiscalizar fiscalizar a qualidade de cada um desses serviços, o que permitirá à Ferrador otimizar ainda mais seu tempo: “Terei condições de me concentrar mais nos assuntos que dizem respeito à minha atividade principal.” Com isso, ele espera dobrar o faturamento de sua empresa entre 2008 e 2009.

Reestruturação

Para a Etna Caldeiras e Aquecedores, terceirizar foi a solução para um problema financeiro enfrentado pela empresa em 2005. “Após contratarmos uma consultoria, decidimos terceirizar a produção de caldeiras”, conta o sócio-proprietário, Wilson Senize. De acordo com ele, o processo de fabricação das caldeiras era muito pesado e pouco lucrativo para a empresa.

“Passamos essa tarefa para uma empresa montada pelos próprios funcionários da área e nos focamos no acabamento, na assistência técnica e nas vendas dos produtos”.

Senize conta que a área de contabilidade também foi transferida para uma empresa especializada. “Gastávamos muito tempo com leis, emissão de notas, impostos, etc.”

Além das terceirizações, a empresa também trouxe de volta a área de assistência técnica, que, segundo Senize, dentro da organização é mais lucrativa.

Tendência

Segundo o diretor de Relacionamento da ADP, Claudio Cunha, a quantidade de empresas de pequeno e médio porte que terceirizam seus processos cresceu muito nos últimos anos. “Nos EUA, temos cerca de 350 mil clientes nesse perfil e aqui cerca de 70% dos 500 mil funcionários que processamos são de pequenas e médias empresas”, diz Cunha.

Para ele, isso se deve à migração dos aplicativos para o ambiente web. “Há dez anos, o acesso à essas soluções ficava restrito às grandes devido ao alto custo. Com o uso da Internet os preços ficaram mais acessíveis”.

Na visão de Cunha, a grande vantagem da terceirização para as pequenas está na especialização. “Ao internalizar tudo, a empresa acaba criando profissionais generalistas. No momento que ela terceiriza, passa a ter acesso a serviços especializados, o que permite que seus colaboradores também se especializem, mas nos assuntos que são estratégicos para a organização.”

Sandra Fiorentini, do Sebrae-SP acrescenta que, além da diminuição do desgaste com a administração de pessoal, a terceirização também pode se traduzir em redução de custos. “O custo total por funcionário, que compreende a soma de salários, encargos e benefícios, caem drasticamente, pois não se paga tudo isso para o terceirizado. Além disso, deixa-se de gastar também com recrutamento e seleção de pessoal.”


CEBRASSE NEWS

CEBRASSE - Central Brasileira do Setor de Serviços
(11) 3825-8995 (11) 3828-3536
www.cebrasse.org.br