Cebrasse News - 28 de Fevereiro de 2007

APOIADORES


ABEMPI
ABF
ABRALIMP
ABRASEL
ADLIM
ADIPLAN
AMBC
APRAG
ARAÚJO ABREU
CABRERA
DNA
EQUAÇÃO
FEBRAC
FENAVIST
FENASERHTT
GALES
GRUPO ALBATROZ
GUIMA
MARICATO ADV
NEO TV
ORSEGUPS
PLANINVESTI
POLICRED
QUALITY AMJ
SEAC-ABC
SEAC-DF
SEAC-MG
SEAC-PA
SEAC-PR
SEAC-RJ
SEAC-SC
SEAC-SP
SELUR
SESVESP
SINDEPRESTEM
SINDESP-DF
SINSERTH
STA
UPS BENEFÍCIOS


CONSELHO CONSULTIVO

ABEMPI
ABERC
ABES
ABF
ABLA
ABMS
ABPITV
ABRALIMP
ABRASEL
ABTA
ACONBRAS
ADVB
AHESP
ANFAC
ANCLIVEPA
APIMEC
APRAG
ASSERTTEM
CRA-SP
CRC-SP
FAEASP
FCDL
FEBRAC
FENAVIST
FENASERHTT
IBEF
MONAMPE
NEOTV
SEAC-ABC
SEAC-DF
SEAC-MG
SEAC-PA
SEAC-PR
SEAC-RJ
SEAC-SC
SEAC-SP

SELUR
SESVESP
SIMPRES
SINAENCO
SINDCONT-SP
SINDEPP-SP
SINDEPRESTEM
SINDERC-SP
SINDESP-DF
SINSERHT-MG
SINDETELEBRASIL


• PAÍS TEM 2 MILHÕES DE AÇÕES POR ANO

• SEBRAE QUER ESTIMULAR CRÉDITOS PARA MICRO E PEQUENAS

• BANCOS ELEVAM GANHOS COM EMPRÉSTIMOS PARA EMPRESAS


PAÍS TEM 2 MILHÕES DE AÇÕES POR ANO

De acordo com um levantamento feito pelo sociólogo José Pastore – especialista em relações do trabalho há mais de 40 anos, o Brasil fica no topo do ranking mundial em ações trabalhistas, com cerca de 2 milhões de processos por ano. Países como EUA, França e Japão, o índice não passa de 75 mil, 70 mil e 2,5 mil, respectivamente.

Essa colocação traz um grande prejuízo para o país. Segundo Pastore, para cada R$ 1.000 julgados, a Justiça do Trabalho gasta cerca de R$ 1.300. Em 2005 foram pagos R$ 7,19 bilhões e, em 2006, R$ 6,13 bilhões até setembro. O valor mensal em 2006 ficou 13% acima do ano anterior, de acordo com dados do TST - Tribunal Superior do Trabalho.

Os especialistas apontam diversas falhas para esta situação, entre elas está em jogo a qualidade da legislação trabalhista, que é considerada ultrapassada, irreal e detalhista. Hoje qualquer coisa é motivo para entrar com processo trabalhista, mostrando assim, uma banalização da Justiça do Trabalho. Leia Mais

(Fonte: O Estado de São Paulo)



SEBRAE QUER ESTIMULAR O CRÉDITO PARA MICRO E PEQUENAS

O Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, quer estimular soluções que facilitem o acesso de micro e pequenas empresas a financiamento bancários. De acordo com o diretor de Administração e Finanças, Carlos Alberto dos Santos, o volume de crédito às empresas de menor porte é a formação de associações de garantias de crédito entre os próprios empresários.

A maior dificuldade enfrentada pelas micro e pequenas para obter o financiamento é a falta de ativos suficientes para dar como garantia para calçar os empréstimos. Porém uma iniciativa para solucionar isto já está sendo testada na região de Caxias do Sul (RS), onde empresários de 32 municípios se juntaram para formar a Associação de Garantia de Crédito (AGC) da Serra Gaúcha. A associação consiste na formação de um fundo garantidor, com dinheiro dos associados e de entidades que apóiam a iniciativa, como o próprio Sebrae.

Carlos Alberto disse que o Sebrae está discutindo com o Ministério da Fazenda, Banco Central, Banco do Brasil e BNDES a possibilidade de se criar normas e padrões para a criação dessas associações de garantia de crédito e que está em discussão com o governo, para que estas normas sejam implantadas como projeto lei ou determinação do Conselho Monetário Nacional (CMN). Leia na íntegra

(Fonte: O Estado de São Paulo)

BANCOS ELEVAM GANHOS COM EMPRÉSTIMOS PARA EMPRESAS

A taxa média de juros cobrada pelos bancos nas operações de créditos das empresas e consumidores passou de 39,8% em dezembro para 39,9% ao ano em janeiro, aumentando o ganho dos bancos. Isso ocorreu mesmo com o corte na Selic (13% ao ano), que serve de referência para as instituições financeiras.

A média dos juros para pessoas físicas passou de 52,1% em dezembro para 52,3% ao ano em janeiro, já destinados aos consumidores a elevação foi ainda maior, de 0,4 ponto percentual, para 40 pontos percentuais. E no caso das empresas (pessoas jurídicas), a taxa de juros ficou estável em 26,2% ao ano e o spread subiu 0,2 ponto, para 13,6 pontos percentuais.

Em contrapartida a taxa de inadimplência em janeiro, apresentou uma queda de 7,6% para 7,5%. Nas empresas, passou de 2,7% para 2,8%. Sendo assim, a taxa média (pessoas físicas e jurídicas) subiu 0,1 ponto percentual, para 5,1% em janeiro. Leia Mais

(Fonte: Folha on-line)

ENTRE EM CONTATO COM A Cebrasse

E-mail

imprensa@Cebrasse.com.br

Telefones
(11) 3825-8995 Fax: (11) 3828-3536




CEBRASSE ESSA AÇÃO